My Image
My Image
My Image
My Image

Estes com certeza são os principais. É eles que definem a aderência mecânica do carro. Diretamente ligado aos pneus, só podemos alterar sua angulação em relação ao solo como explicado anteriormente e também, sua pressão de pneus. Tudo isso é relacionado a um conceito principal. A distribuição de temperaturas.


Podemos dividir o pneu em três bandas de rodagem. Interna, central e externa. Dessa forma, podemos chegar a parâmetros mais definitivos sobre o acerto de pneus. A soma dessas temperaturas divididas por três, representa a temperatura média do pneu. A temperatura do pneu é que manda na aderência. Se a temperatura geral estiver muito baixa ou muito alta para os padrões do carro, haverá queda no desempenho.










​​​​​​​Temperaturas muito frias deixam o carro muito ruim de dirigir, saindo de frente em quase todas curvas e com pouca capacidade de frenagem. Geralmente, é o feeling que você terá ao sair dos pits. Temperaturas muito quentes deixam o carro muito escorregadio, se tornando difícil de pilotar. Geralmente, isso só vai piorando se o piloto não dar uma amenizada no “overdriving”.


Para acertar os pneus, devemos trabalhar os ajustes de pressão e geometria em conjunto, principalmente pressão e cambagem. Nosso objetivo é ter temperaturas equilibradas, garantindo o contato ideal do pneu. Isso geralmente se identifica nos seguintes padrões: A temperatura externa é a mais fria, a central a média e a interna a mais quente. Se por algum acaso durante as curvas ocorrer outra situação, é sinal de que o pneu está sofrendo na aderência, pois alguma parte do pneu não está tocando corretamente no solo, enquanto outra está com carga exagerada.


Existem algumas padrões que você pode identificar e fazer as devidas alterações no acerto de cambagem e pressão.








​​​​​​​



​​​​Se sua temperatura central estiver superior às laterais, seu carro está com pressão excessiva. Se sua temperatura central estiver muito inferior às laterais, seu carro está com pouca pressão. Se sua temperatura interna estiver muito inferior às outras, seu carro está com pouca cambagem. Se sua temperatura interna estiver muito superior às outras, está com muita cambagem. Para a temperatura externa o raciocínio é o contrário.


Sobre a pressão de pneus, ela regula o quão cheio ou vazio de ar seu pneu está. Quanto mais vazio, geralmente você terá um pneu com uma temperatura mais quente, o carro pode ficar mais “grudado” em alguns casos, se a temperatura das outras bandas não for afetada. Altas pressões de pneu farão o carro geralmente ficar mais solto, se isso não afetar as bandas laterais. Se você quer usar o efeito “roll” a seu favor, em alguns casos é interessar subir a pressão traseira dos pneus, para fazê-lo ter uma melhor entrada de curva.